Início » Economia solidária » Projeto Tear: empreendimento social de saúde mental

Projeto Tear: empreendimento social de saúde mental

Postado por Cécile Petitgand 20 de agosto de 2015 Deixe um comentário

projeto-tear-guarulhos

O Projeto Tear é um serviço público de Saúde Mental constituído por oficinas de trabalho artesanal para pessoas em situação de sofrimento psíquico. Localizado no município de Guarulhos (SP), o Projeto iniciou sua trajetória em 2003 por meio de uma parceria entre a Prefeitura de Guarulhos, a Associação Cornélia Vlieg e os Laboratórios Pfizer.

Tive a grande chance de poder visitar o local e encontrar alguns dos trabalhadores que fazem parte dos diversos empreendimentos sociais do Projeto. Atualmente, 130 usuários participam das oficinas de Encadernação & Papelaria Artesanal, Marcenaria & Marchetaria, Serigrafia & Personalização, Tear & Costura, Velas & Sabonetes, Mosaico, Papel Reciclado Artesanal, Alimentação e Vitral, que se constituem em espaços de produção, geração de renda e convivência.

 

Complementário dos CAPS (Centros de Atenção Psicosocial) da cidade de Guarulhos, o Projeto Tear promove a cura através da inserção e promoção de cidadania, autonomia e emancipação. ¨No Tear compreende-se o trabalho como um importante instrumento de desenvolvimento humano, em que o resgate da capacidade produtiva a partir do olhar para as potencialidades desses sujeitos contribui para a transformação do lugar de assistidos a participantes, realizadores e produtores de novos lugares sociais, remetendo-os para o exercício da cidadania e fortalecendo laços sociais e familiares¨ (Site do Projeto Tear).

Empreendedorismo social no Projeto Tear

As oficinas do Tear encontram-se num grande galpão cujo aluguel e despesas fixas de manutenção são custeados pela prefeitura de Guarulhos. As máquinas de cada oficina foram compradas através de uma doação dos Laboratórios Pfizer e pelo meio de editais públicos. No entanto, não existe verba externa para alimentar hoje o desenvolvimento das atividades de cada empreendimento do Projeto Tear. Por isso, cada um deles tenta seguir um modelo de negócio social, visando a sustentabilidade financeira através da comercialização dos produtos elaborados pelos trabalhadores de cada oficina.

projeto-tear-feira

O Projeto Tear conta com expressiva participação em feiras, exposições e projetos de Economia Solidária e geração de renda, proporcionando assim a participação dos usuários na venda dos produtos e na administração dos recursos obtidos, que são revertidos à própria oficina para sua sustentabilidade e aos participantes em forma de “bolsa-oficina”. O Projeto faz também parte da Rede de Costura Solidária SP, que junta vários empreendimentos da economia solidária do Estado de São Paulo, visando o empoderamento dos seus membros e a troca de conhecimentos.

No coração da oficina de costura do Projeto Tear

Daniel e Luciano são dois participantes da oficina de costura do Projeto Tear. Daniel começou a tecer ali há 11 anos, enquanto Luciano chegou na oficina há um ano e sete meses. ¨É meu professor¨, fala o Luciano do Daniel, ¨foi ele que me ensinou como tecer. Ele é o craque!¨ De fato, Daniel virou especialista no manuseio do tear e usa o ponto peruano para tecer lindos cachecóis, mantas, tapetes e chales de lã.

projeto-tear-2

¨Quando cheguei na oficina, conta Daniel, não tinha máquina de costura, todo mundo fazia tear comum. Em 2009, chegaram as máquinas, tentei aprender a costurar, mas não consigo. Sou bom de tecer e eu gosto.¨

Este mês, Daniel e Luciano conceberam juntos dois tear, feitos de lã e malha, que foram aplicados em bolsas artesanais da marca Kör Ateliê, apresentadas na exposição ¨Design, Artesanato e Cidade¨ que aconteceu na semana passada no Conjunto Nacional da Av. Paulista.

projeto-tear-kor-atelie

¨A gente já fazia necessaire com tear, conta a Juliane, coordenadora da oficina de costura, e quando as meninas da Kör foram nos visitar, elas viram o nosso trabalho e gostaram. A gente tinha feito esta pesquisa de material o ano passado, fizemos vários testes com barbantes, malha, fita, etc., para ver o que ficava bonito. As diretoras da Kör gostaram muito do tear de malha e lã e ficou muito legal nas bolsas.¨

Para saber mais sobre o Projeto Tear, visite o site do projeto.

Sobre Cécile Petitgand

Cécile Petitgand
Doutoranda em administração na Universidade Paris-Dauphine e na USP, sou apaixonada pelas inovações desenvolvidas pelas organizações que pretendem usar os mecanismos de mercado para resolver grandes problemas sociais e ambientais. Acredito no poder de mudança do empreendedorismo e no grande potencial das novas redes de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *