Início » Negócios sociais » Negócios híbridos: combinando lucro e impacto

Negócios híbridos: combinando lucro e impacto

Postado por Cécile Petitgand 19 de agosto de 2014 1 comentário

negocios-hibridos-lucro-e-impacto

Tanto na teoria econômica como na prática, o primeiro objetivo de um negócio tradicional é maximizar o valor acionário da empresa, ou seja aumentar a riqueza dos acionistas, proprietários legais da Sociedade. Em verdade, as empresas abraçam vários outros objetivos – organizacionais, sociais ou ambientais –, no entanto seus fins financeiros devem ser considerados prioritários pelos administradores da empresas. Essas obrigações representam a responsabilidade fiduciária dos administradores com os acionistas.

Além da missão tradicional

É fácil encontrar no mundo de hoje empresas cuja missão principal não é exatamente aquela dos negócios tradicionais. De facto, um número crescente de empresas pretende cumprir seu dever de rentabilidade financeira e, ao mesmo tempo, produzir um impacto social positivo na sociedade.

Esse novo tipo de negócio é chamado de híbrido, uma vez que se encontra na fronteira entre dois setores – o setor privado e a sociedade civil – e pretende usar os mecanismos de mercado para resolver problemas sociais ou ambientais. Portanto, um negócio híbrido não é uma organização sem fim lucrativo, nem uma empresa socialmente responsável, mas é sim uma nova forma empreendedora de criar valor social e solucionar problemas.

Criar mudança social em vez de renda

A empresa chilena de reciclagem TriCiclos ilustra perfeitamente este novo trend corporativo. TriCiclos implementou uma rede de Pontos Limpos, lugares onde as pessoas de um bairro podem reciclar até 20 tipos de materiais recicláveis diferentes. Cada Ponto Limpo conta com um educador ambiental que informa às populações sobre a importância da revalorização dos resíduos e as maneiras com que elas podem melhor separá-los em casa e prepará-los para a reciclagem.

Como explica um dos sócios da Triciclos no vídeo abaixo, o primeiro objetivo da empresa era demostrar que existia outros modos de se fazer negócios. A iniciativa nasceu de uma frustração com o modelo tradicional, essencialmente focado na geração de lucro. Portanto, o objetivo de TriCiclos não é a maximização de renda, mas sim a mudança cultural e o avanço dos hábitos sustentáveis. A empresa foi uma das primeiras certificadas pelo B-lab na América Latina como sendo uma Empresa B (negócio com fin lucrativo criado para resolver problemas sociais ou ambientais).

Quantos híbridos no Brasil?

No Brasil existem 23 empresas certificadas pelo Sistema B, porém o número real de negócios híbridos é bem maior no país. O mapeamento das empresas brasileiras realizado pelo Plano CDE em parceria com a Fundação Avina, Potencia Ventures e Polo Ande Brasil, em 2011, apontou a existência 140 negócios híbridos no país e realizou uma análise aprofundada de 50 deles.

A maioria dessas empresas  (86% das entrevistadas) informaram gerar um real impacto social por meio da oferta de produtos e serviços às populações pobres e também por meio da inserção dos indivíduos que estão na ¨base da pirâmide¨ na cadeia de valor da empresa. Todavia, apenas metade das empresas entrevistadas declarou utilizar algum instrumento de medida do impacto social por elas gerado ou qualquer outra metodologia que permita avaliar a eficácia de suas ações.

Você é empreendedor social?  Usa algumas ferramentas para medir suas performances sociais ou ambientais? Compartilhe sua opinião abaixo.

Sobre Cécile Petitgand

Cécile Petitgand
Doutoranda em administração na Universidade Paris-Dauphine e na USP, sou apaixonada pelas inovações desenvolvidas pelas organizações que pretendem usar os mecanismos de mercado para resolver grandes problemas sociais e ambientais. Acredito no poder de mudança do empreendedorismo e no grande potencial das novas redes de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *